Brasileiros aprendem com Israel como produzir alimentos com quase nenhuma água

Imprimir
Grupo de técnicos do Matopiba conhecem os recursos da tecnologia 4.0 usados nos kibultz israelenses. Algodão tolerante à seca é uma delas

Em missão para Israel, Celito Eduardo Breda, diretor da Abapa (Associação Baiana dos Produtores de Algodão), concedeu uma entrevista para o jornalista João Batista Olivi, comentando sobre as tecnologias que encontrou no país e que são possíveis de serem implementadas no Brasil.

Ele explicou que Israle possui cerca de 8,5 milhões de habitantes, mas que mesmo o país assim é o segundo maior gerador de startups e inovação tecnógica do mundo. Inclusive a agricultura é beneficiada pelas inovações, já que boa parte dela é desenvolvida em áreas desérticas.

Para que seja sustentável, o agronegócio israelense depende de soluções que tragam valor agregado às lavouras, por isso o país investe mais na produção de produtos como romã, abacate, cenoura, batata e também na produção de milho e algodão. Do algodão, inclusive, foi desenvolvida uma variedade resistente à seca, que de acordo com Celito Breda, poderia ser utilizada no Brasil. “É uma tecnologia que poderia ter uma parceria e que poderia ser experimentada em regiões mais secas do Matopiba”, disse.

Confira a entrevista completa no link Entrevista com Celito Eduardo Breda – Diretor da ABAPA

Por: João Batista Olivi e Ericson Cunha
Fonte: Notícias Agrícolas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *