Brasil deve colher até 47 milhões de sacas de café neste ano

Imprimir
O Brasil deve totalizar neste ano uma safra entre 43 e 47 milhões de sacas de 60 quilos de café. O número representa uma redução de até 15% em relação à safra passada, que totalizou 51,37 milhões de sacas. Os números estão no primeiro levantamento da colheita de 2017, divulgado nesta terça-feira (17/1) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

A produção de café arábica deve variar entre 35,01 milhões e 37,88 milhões de sacas. Os números representariam uma redução de até 19,3% no volume colhido. O motivo, de acordo com os técnicos, é a bienalidade negativa da cultura.

Já a produção de conilon, bastante prejudicada na safra passada, deve ter crescimento. Para a Conab, a colheita estará entre 8,64 milhões e 9,63 milhões de sacas de 60 quilos, uma alta que pode chegar a 20,5% em comparação com o ciclo anterior na melhor das hipóteses.

“Os números se devem à recuperação da produtividade nos estados da Bahia e de Rondônia, bem como ao processo de maior utilização de tecnologia do café clonal e mais investimentos nas lavouras”, informa a Companhia, em nota.

Área e produtividade
A área total dos cafezais do Brasil deve ficar praticamente estável em relação ao ciclo passado. De acordo com a Conab, os 2,23 milhões de hectares estimados representam um crescimento de apenas 0,2%. Desse total, 331,82 mil hectares (15%) estão em formação e 1,9 milhão de hectares (85%) em produção.

O café arábica deve ocupar uma área 1% maior e totalizar 1,77 milhão de hectares, com uma queda dos cafezais em produção e forte crescimento das lavouras em formação. “Nos anos de ciclo de bienalidade negativa a área em formação aumenta, uma vez que os produtores optam por manejar as culturas, especialmente as áreas mais velhas, onde a produtividade é menor”, explica o relatório.

A área plantada com café conilon deve cair 2,8%, totalizando 450,8 mil hectares. Bastante afetado pela falta de chuvas, o estado do Espírito Santo, principal produtor da variedade, deve sofrer a maior redução.

“O forte estresse hídrico das duas últimas safras provocou a erradicação de muitas lavouras, sendo que não houve mudas disponíveis para replantio de toda a área planejada”, destaca a Companhia.

De modo geral, a produtividade deve cair nesta safra. Os técnicos da Companhia Nacional de Abastecimento esperam um rendimento de 4,9% a 12,6% menor. Na mais otimista das hipóteses, cada hectare deve render 25,05 sacas de 60 quilos. Para as lavouras de café arábica, a estimativa varia entre 23,48 e 25,40 sacas por hectare. No conilon, entre 21,33 e 23,78 sacas por hectare.

Fonte: Revista Globo Rural (Por Raphael Salomão)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *