Boletim Carvalhaes, mercado de café mostrou-se ativo nesta segunda semana de 2011

Imprimir

O mercado de café mostrou-se ativo nesta segunda semana de 2011. Na ICE Futures US, a bolsa de Nova Iorque, os contratos de café fecharam com boas altas nos três primeiros dias da semana, perdendo parte dos ganhos ontem e hoje em um movimento de realização de lucros, antes do fim de semana e do feriado na segunda-feira, dia de Martin Luther King nos EUA.

O mercado físico brasileiro foi firme. Os lotes de arábica de boa qualidade e mesmo os de qualidade média que chegaram ao mercado foram disputados, com alguns compradores mostrando agressividade quanto encontram lotes que se enquadram em suas necessidades de embarque. Os negócios só não saem em maior volume devido à disposição de muitos vendedores em não aceitar ofertas abaixo do valor que estipulam como meta.

Em dezembro o Brasil embarcou 3 405 966 sacas de café, fechando o ano de 2010 com o total de 33 002 244 sacas embarcadas, recorde histórico. A receita cambial, US$ 5 664 114 mil, também foi recorde (nominal, não se levando em conta a desvalorização do dólar). Cinquenta anos atrás, no início dos anos sessenta, as exportações de café representavam mais de 50% da receita cambial brasileira. Em 2010, a receita com exportação de café, apesar de recorde, não ficou nem entre as cinco primeiras receitas com commodities. Minério de ferro, petróleo, complexo soja, açúcar e complexo carne, representaram 43% das exportações brasileiras (jornal Valor Econômico de ontem, dia 13, página A3). Perto do boom nos preços dessas commodities nos últimos anos, o aumento nos preços do café em 2010 não passou de um modesto reajuste depois de anos de estagnação. Como exemplo, em 2010 o preço do minério de ferro foi reajustado em mais de 100%.

Chama a atenção que apesar desse recorde de embarque do maior exportador de café do mundo, os estoques no exterior não param de cair, evidenciando as dificuldades dos países consumidores para se abastecer.

Em 2011, ano de safra baixa, o Brasil, que também está com estoques baixos (serão provavelmente os menores da história, próximos de zero, no final do ano-safra, em 30 de junho de 2011), não conseguirá repetir o desempenho de 2010, e as dificuldades de abastecimento mundial serão ainda maiores.

Os embarques de dezembro ficaram em 3.039.893 sacas de café arábica, e 73.154 sacas de café conillon, totalizando 3.113.047 sacas de café verde, que somadas as 287.788 sacas de solúvel e 5.131 sacas de café torrado, totalizaram 3.405.966 sacas embarcadas. Até o dia 14, os embarques de janeiro estavam em 529.666 sacas de café arábica, 12.210 sacas de café conillon, somando 541.876 sacas de café verde, e 70.106 sacas de solúvel, contra 733.211 sacas no mesmo dia de dezembro. Até o dia 14, os pedidos de emissão de certificados de origem para embarque em janeiro totalizavam 1.030.125 sacas, contra 1.112.370 sacas no mesmo dia do mês anterior.

A bolsa de Nova Iorque – ICE, do fechamento do dia 7, quinta-feira, até o fechamento de hoje, sexta-feira, dia 14, subiu nos contratos para entrega em março próximo, 390 pontos ou US$ 5,15 (R$ 8,68) por saca. Em reais por saca, as cotações para entrega em março próximo na ICE fecharam no dia 7, a R$ 513,91/saca e hoje, dia 14, a R$ 523,21/saca. Hoje, sexta-feira, nos contratos para entrega em março, a bolsa de Nova Iorque fechou com baixa de 290 pontos.

Fonte: Escritório Carvalhaes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *