Boa Esperança registra déficit hídrico de 69,1mm em julho

Imprimir

O levantamento do Procafé (Programa de Apoio Tecnológico à Cafeicultura) de Varginha, ligado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), mostrou que em Boa Esperança, no sul de Minas Gerais, houve a incidência de 20,0 mm de chuvas em julho. O déficit hídrico em julho chegou a 69,1mm.

A temperatura média foi de 18,3C, a máxima absoluta foi de 28,8 graus e a mínima de 7,8 graus. Quanto ao crescimento vegetativo, 9,0 nós por ramo foi o crescimento do ano agrícola anotado.

Em relação especificamente a doenças, nas lavouras sem controle, amostradas, o índice médio da infecção por ferrugem foi de 47,4%, variando de 12,0 a 74,0%. "O controle não é mais recomendado", aponta o Procafé.

A infecção média da cercóspora foi de 0,8%. Já a phoma teve baixa infecção, "devendo ser efetuado o monitoramento e controle em locais propícios ao ataque da doença".

O relatório sobre as pragas apontou que o bicho mineiro teve ataque médio de 6,3%, inferior ao mês anterior. Em decorrência da diminuição do regime pluviométrico, deve ser efetuado o monitoramento com avaliação da ocorrência de adultos e larvas vivas para efetuar o controle com produtos específicos, de acordo com o Procafé.

O ácaro vermelho teve baixa incidência. A broca também teve baixa incidência, com o controle não sendo mais recomendável, tendo em vista o período de carência dos produtos e estágio atual da colheita.

Alerta Geral 

O regime pluviométrico não foi suficiente para manter o armazenamento ideal de água no solo, o que justificou a suplementação em maio e junho nas regiões de Varginha e Boa Esperança. Pela presença de déficits hídricos é aconselhável a complementação de água por irrigação no final de agosto até meados de setembro, por ocasião da florada, após a ocorrência de chuvas (entre 30 e 50 mm). Para a região de Carmo de Minas a irrigação é dispensável.

Bicho mineiro: “detectado ataque em decorrência da diminuição do regime pluviométrico. Deve ser efetuado o monitoramento com avaliação da ocorrência de adultos e larvas vivas para efetuar o controle com produtos específicos, obedecendo ao período de carência." 

Fonte: Agência Safras | CNC

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *