BB anuncia R$16 bi para pré-custeio 2021/22 e quer crescer carteira agro em 10%

Imprimir
O Banco do Brasil, maior financiador do agronegócio brasileiro, aumentará os recursos do pré-custeio na safra 2021/22 para um recorde de 16 bilhões de reais e projeta elevar sua carteira para o setor em cerca de 10%, para 210 bilhões de reais.

“Somos grandes nesse negócio e queremos crescer ainda mais”, disse o presidente do Banco do Brasil, André Brandão, em apresentação no YouTube.

Segundo ele, o BB está comprometido em crescer em “níveis substanciais” sua participação no setor, com a carteira passando de 191 bilhões para montante próximo de 210 bilhões de reais.

No ano passado, o BB anunciou 15 bilhões de reais para o pré-custeio da safra 2020/21.

Os recursos do pré-custeio, que permitem um melhor planejamento da safra, travando custos antecipadamente em condições geralmente mais favoráveis, serão liberados para produtores de soja, milho, algodão, arroz, cana e café.

A taxa para produtores médios é de 5% ao ano, enquanto grandes terão juros de 6% ao ano.

Brandão disse ainda que banco está implementando medidas de simplificação, como o fim da tarifa de análise de crédito para todas as renovações de operações.

Além disso, ele disse que o BB deve elevar financiamentos para melhorar a conectividade no campo, liberando recursos específicos para este investimento.

Outro front que vem sendo atendido é o estímulo à geração solar de energia, com uma parceria com empresa especializada em placas fotovoltaicas.

“Essa agenda é muito especial”, disse, citando ainda que o banco está empenhado em ajudar na recuperação de pastagens e em programas que incentivem a agricultura sustentável.

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, que participou do anúncio online, destacou que o pré-custeio é importante para dar ao produtor previsibilidade, já que permite a compra de insumos antecipadamente.

Ela disse ainda que, “se Deus quiser teremos um Plano Safra este ano melhor que o do ano passado”, e ressaltou que tem tido a colaboração do Ministério da Economia e do Tesouro para elevar a subvenção ao seguro rural.

Na safra anterior, o governo brasileiro anunciou um recorde de 236,3 bilhões de reais em recursos para financiamentos pelo Plano Safra 2020/21, alta de 6,1% em relação ao montante da temporada passada.

Fonte: Reuters (Por Roberto Samora)