Bancos especializados em commodities dão as perspectivas para o mercado de café robusta em 2016

Imprimir

Os futuros do café robusta caíram acentuadamente em 2015, 21% em Londres. Em Nova York, os preços do café arábica recuaram um pouco mais, 24%.

A queda nas cotações do robusta foi apoiada por preocupações com a seca no Espírito Santo, principal estado produtor da variedade no Brasil, além da resistência dos produtores vietnamitas em vender suas produções em um mercado enfraquecido.

Será que as preocupações com o Brasil podem permitir uma recuperação dos preços em 2016? Ou será que as vendas vietnamitas vão saltar e os valores terão uma queda ainda maior? Comentaristas de bancos especializados dão suas opiniões:

ABN Amro

"Nos próximos meses, novos dados sobre a safra brasileira irão determinar a direção dos preços [de café global]".

"A demanda global por grãos de café subiu mais de 40% nos últimos 15 anos, enquanto a produção cresceu apenas 25%, de acordo com estatísticas da Organização Internacional do Café".

"O declínio nos níveis dos estoques significa que as oscilações na produção anual estão tendo um grande impacto sobre os preços".

"O robusta tem subido nas últimas semanas com apostas pessimistas e fundos sendo liquidados".

"O El Niño continua influenciando no mercado. No entanto, não parece ter grande impacto sobre a oferta global de robusta. A queda no conillon, variedade brasileira de robusta, além dos embarques e a perda na Indonésia ajudarão a dar suporte aos preços".

"O país conseguiu reduzir a diferença de preço entre robusta e arábica".

"Ao todo, tendo em conta as condições climáticas, juntamente com os níveis de estoque apertado, prevemos um ligeiro aumento nos preços nos próximos meses".

"O potencial de crescimento, no entanto, é limitado, como qualquer rally é provável que seja apenas mais uma cobertura de posições vendidas. As commodities como um todo permanecem fora de moda e suprimidas pela força do dólar".

Commerzbank

"Ainda há muito tempo antes da próxima colheita no Brasil. As perspectivas para a próxima safra de robusta são novamente pessimistas por conta da falta de água. A incerteza deve permanecer elevada nas próximas semanas".

"No Vietnã e Indonésia as secas por conta do El Niño também podem causar problemas não só na temporada atual. O aumento no uso de sistemas de irrigação vai compensar parcialmente este efeito".

"Muitos observadores do mercado esperam uma colheita de 28,5 milhões de sacas ou até 29 milhões em 2015/16 no Vietnã. Depois de boas colheitas e restrição de venda – que não tiveram o efeito desejado de aumento nos preços – os estoques recordes agora estão acumulando no país. Isso deve pesar sobre os preços do robusta".

"Esperamos que o déficit no mercado de café e os baixos estoques de arábica sejam refletidos na tendência de preço [global] nos próximos trimestres".

"A depreciação do real maior que o esperado por nossos analistas de câmbio deve pesar muito sobre o preço do café arábica e não deixar o robusta ileso".

Rabobank

"Continuamos muito otimistas com os preços do robusta".

"Mesmo admitindo um declínio da quota de robusta nos países não produtores para 34,0%, ante 35,5% em 2014/15 e 2015/16, e uma redução no consumo de conillon no Brasil, nossas estimativas globais preliminares para 2016/17 mostram um déficit para a variedade".

"Em agosto e setembro, o volume de chuvas no sul de Sumatra e províncias da Lampung [Indonésia] foi quase zero".

"Estamos atualmente esperando 16 milhões de sacas de conillon do Brasil em 2016/17. Este número pode ser otimista, tendo em conta os piores níveis pluviométricos nas áreas de conillon em pelo menos 12 anos, juntamente com restrições de irrigação estabelecidas no início de outubro".

"Apesar de um excedente global significativo de arábica, o déficit de robusta pode impressionar em 2016".

Fonte: Agrimoney via Notícias Agrícolas (traduzido por Jhonatas Simião)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *