Após prêmio por qualidade da água, cafeicultora reforça investimento em preservação ambiental

Imprimir
Há cerca de dois anos, a cafeicultora Josimar Sodré, conhecida como Lalá, participou do curso de Proteção e Recuperação de Nascentes, oferecido pelo Sistema Faemg/Senar Minas na propriedade de um vizinho em Alto Jequitibá. Com o conhecimento adquirido, desempenhou o mesmo trabalho nas duas nascentes na mata de sua propriedade e passou a utilizar a água diretamente em casa. O resultado foi que, em fevereiro deste ano, ao participar de um concurso na região do Caparaó, recebeu um prêmio pela qualidade da água. Esse reconhecimento, aliado ao trabalho do programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) do Senar, fez Lalá pensar além. Agora ela quer investir ainda mais em ações de preservação ambiental para tornar a propriedade sustentável e ecologicamente correta.

Lalá e sua filha Luana Augusto Sodré de Paula trabalham com cafés especiais no Sítio Café da Lalá desde 2016 e apresentam bons resultados. Neste ano, o café produzido por elas foi o segundo mais bem pago no leilão promovido pela BSCA em Alto Caparaó, dentro da programação do “BSCA Micro Region Showcase”. O valor pago a 20 Kg foi de R$ 8.600, que, convertido para a saca, ficaria em mais de R$ 26 mil.

Em março, Lalá recebeu no sítio o curso de Construção de Fossa Séptica Biodigestora, também oferecido pelo Sistema Faemg/Senar Minas em parceria com o Sindicato de Produtores Rurais de Alto Jequitibá. Assim, ela e a técnica Jéssica Carmo, que a acompanha dentro do programa ATeG, solicitaram o curso, que ainda beneficiou outros dez produtores, inclusive uma outra família também assistida pelo programa.

“Pensei assim: já temos água boa e café bom, vou pedir outro curso para ajudar a melhorar a propriedade. Agora vai ajudar mais, depois da fossa pronta, com o uso do biofertilizante gerado, com a água limpa, café sendo cuidado sem agrotóxico há cinco anos. Então, vamos em busca de fazer tipo uma propriedade modelo. E com a visita frequente de estrangeiros na região e no sítio, isso valoriza a nossa propriedade e o nosso trabalho. O Senar tem me ajudado muito nesse caminhar”, explicou.

Curso de Fossa Séptica Biodigestora

O curso foi realizado pela primeira vez em parceria com o Sindicato de Produtores de Alto Jequitibá. “Diante desse reconhecimento da Lalá, surgiu a motivação em fazer a eliminação dos resíduos da melhor forma possível, e nada melhor do que uma fossa biodigestora em que a água sai tratada e com o ganho do biofertilizante”, explicou o mobilizador de eventos do Senar na região, Jorge Rodrigo de Faria.

Durante o curso, o instrutor Heverson Vieira Marangon trabalhou os seguintes temas com os participantes: segurança no trabalho, tipos de fossas sépticas (quanto ao tipo de construção, modelo e quanto à destinação de efluentes), dimensionamento da fossa, manutenção, ferramentas e materiais e a construção da fossa propriamente.

“Cursos como esse têm o importante papel de despertar a consciência do produtor em relação ao tratamento de esgoto nas propriedades rurais”, destacou o mobilizador.

Fonte: Assessoria de Comunicação Senar Minas – Regional Viçosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *