Antonio Anastasia destaca a relevância da indústria cafeeira para o desenvolvimento do país em artigo

Imprimir

O café gera de divisas da ordem de US$ 6,5 bilhões anuais para o Brasil; Minas, maior produtor e exportador, recebe reunião comemorativa da OIC, diz texto do Valor Econômico

Em artigo publicado na edição desta segunda-feira (9) do jornal Valor Econômico, o governador Antonio Anastasia destaca a importância do café na pauta de exportação brasileira e a relevância da indústria cafeeira para o desenvolvimento e modernização do país. Segundo Antonio Anastasia, o café é responsável pela geração de divisas da ordem de US$ 6,5 bilhões anuais e pela criação de, aproximadamente, quatro milhões de empregos, sendo cerca da metade em 600 municípios mineiros.

“Além de seu papel na formação econômica nacional, a cultura cafeeira contribuiu para a evolução do mercado de trabalho no país. Seu papel socioeconômico é, pois, inegável”, afirmou o governador em seu artigo. Ainda no texto, Antonio Anastasia ressalta que o Brasil é o maior produtor e exportador de café, bem como Minas Gerais é o maior produtor exportador do país. “A cada três cafés brasileiros degustados mundo afora, dois foram produzidos em uma das 104 mil propriedades cafeicultoras do Estado”, enfatiza o governador.

Belo Horizonte, a capital mundial do café

Antonio Anastasia ainda lembra que Belo Horizonte se “transformará na capital mundial do café”. A cidade recebe, até a próxima sexta-feira (13), a Semana Internacional do Café. A programação do evento comemorativo ao cinquentenário da Organização Internacional do Café (OIC) inclui a maior feira do setor na América Latina e visitas técnicas às tradicionais regiões cafeeiras de Minas, além de reuniões e fóruns para debates.

Preço mínimo do café e políticas públicas

O governador também defende a necessidade de elevar o preço mínimo da saca do café para um valor de, pelo menos, R$ 350,00. Para agregar valor ao café, o Governo de Minas tem criado diversas políticas públicas pautadas em pesquisa e profissionalização. Dentre as ações do Estado, Anastasia cita o Fundo Estadual do Café (Fecafé), que financia investimentos em produtividade, qualidade e inovação, e o Certifica Minas Café, um dos primeiros programas de certificação de propriedades de café do mundo realizado por um governo regional em um país.

"Assim, agimos para garantir que o agronegócio do café continue a gerar prosperidade e bem-estar não só para os mineiros, mas também além das nossas montanhas. A realização da Semana Internacional do Café será um momento ímpar para tratarmos da sustentabilidade desse setor tão importante para o desenvolvimento econômico e social do país", finaliza o governador.

Leia abaixo a íntegra do artigo do governador. 

Fonte: Valor Econômico via Rede Social do Café

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *