Antecipação de floradas preocupa Sul de Minas

Imprimir
As chuvas que atingiram os cafezais do Sul de Minas Gerais, entre junho e julho, anteciparam as floradas do café, causando apreensão ao setor. Com a antecipação, a tendência é de maturação irregular dos grãos ao longo do desenvolvimento da safra, uma vez que a florada mais expressiva deve ocorrer após a regularização das chuvas, o que normalmente acontece em setembro. A maturação irregular pode afetar a qualidade final da bebida, caso o cafeicultor não fique atento à separação do café.

As floradas eram esperadas somente a partir da segunda quinzena de setembro e o início do outubro, logo após as primeiras chuvas, o que permitiria o crescimento e a maturação homogênea do grão. Porém, este ano, os primeiros botões foram observados ao longo de agosto, em um período em que ainda ocorre a colheita do café da safra 2016.

De acordo com o degustador da Cooperativa Regional Agropecuária de Santa Rita do Sapucaí (CooperRita), no Sul do Estado, Cláudio Lúcio Domingues, os cafezais da área de atuação da cooperativa estão com botões, que devem abrir nos próximos dias.

“A flor é sempre bem-vinda, mas o desequilíbrio do clima fez com que o fenômeno fosse antecipado. Esta é uma situação que vem ocorrendo nos últimos anos, mas que normalmente aconteceria no início da primavera, o que é mais indicado”, explicou.

A tendência é que os cafezais da região registrem novas floradas até outubro, fazendo com que a produção do café apresente períodos de desenvolvimentos diferentes em um mesmo cafeeiro. Ao longo da safra os cafeicultores devem encontrar nas árvores grãos com maturações diferentes, do café verde, passando pelo maduro até o seco.

“A produção tende a ser irregular, tecnicamente não dá para afirmar se vai prejudicar a qualidade da bebida. O produtor que registrar áreas com várias florações tem que ficar atento e investir, no período da colheita, na seleção dos grãos porque a tendência é encontrar na mesma área café chumbinho, seco e maduro. O ideal para uma safra de alta qualidade e grãos homogêneos seria uma florada volumosa próxima ao dia 12 de outubro”, disse Domingues.

A colheita na região de atuação da CooperRita está bem avançada, com índice de conclusão variando entre 80% e 85%. Ao todo serão colhidas 150 mil sacas de 60 quilos de café, volume 12% menor que o esperado. As chuvas de junho e julho, além de anteciparem a florada, provocaram a queda e perda do café.

Os cafezais da Cooperativa dos Cafeicultores da Zona de Varginha Ltda (Minasul), no Sul do Estado, também estão floridos. De acordo com o engenheiro agrônomo, Cláudio Afonso Rosendo, a florada adiantada pode trazer alguns problemas, como a diferença de tamanho dos grãos e maior catação na hora da colheita.

“Se os cafezais florirem novamente entre setembro e outubro a safra ficará desigual e com grãos de tamanhos variados. Isso aumenta o trabalho na hora da separação e classificação dos grãos durante a colheita”, disse Rosendo.

Na área da Minasul, a colheita do café caminha para o final, com índice de conclusão próximo a 75%. A estimativa inicial é de um rendimento de 1,3 milhão sacas de 60 quilos. A Minasul possui mais de 5,5 mil cooperados e recebe café de mais de 100 municípios mineiros.

Fonte: Diário do Comércio (Por Michelle Valverde) via CNC

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *