Amazonense conquista o segundo lugar em campeonato brasileiro de preparo de café

Imprimir

Analice Carvalho ganhou o reconhecimento na última edição do Campeonato Brasileiro de Baristas, realizado em São Lourenço (MG)

MANAUS - AM - 30/08/2018 - BEM VIVER - ANALICE CARVALHO, GANHA PREIMIO DE BARISMO EM MINAS GERAIS. FOTO: EUZIVALDO QUEIROZ/ACRÍTICA
Foto: Euzivaldo Queiroz

Quando o assunto é café coado, a amazonense Analice Carvalho sabe preparar um dos melhores do Brasil. O reconhecimento veio na última edição do Campeonato Brasileiro de Baristas, realizado em São Lourenço (MG), no qual ela conquistou o prêmio de segundo lugar na modalidade Brewers Cup, ficando atrás apenas do curitibano Léo Moço, do grupo Café do Moço.

À frente da cafeteria Como em Casa, localizada no bairro Adrianópolis, Analice participou pela primeira vez do evento realizado pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA), que até então nunca tinha recebido concorrentes da região Norte. Ela chegou à etapa nacional do campeonato depois de vencer a seletiva regional, realizada em maio, na qual também se classificaram Barbara Rebeca e Rodrigo Tori, da cafeteria Coa.do, e Aldo Bitencourt, da cafeteria Kalena.

Na disputa da modalidade Brewers Cup, os 24 competidores precisavam elaborar o café pelo método de filtragem manual, empregando técnica e habilidade para extrair o melhor da bebida. Após duas etapas eliminatórias, foram definidos seis finalistas, que competiram em uma nova rodada frente aos juízes. Nessa fase, cada competidor teve 10 minutos para preparar três extrações enquanto falava sobre o café e o método utilizado, simulando um atendimento excepcional ao consumidor final.

Analice explica que os participantes tiveram que usar duas variedades de grãos durante a competição. “Para o primeiro, que foi o café nacional Orfeu, utilizei uma proporção de 15g de café para 240g de água. Já na segunda apresentação, utilizei o Geisha natural da Fazenda El Obraje, uma variedade exótica produzida na Colômbia, e fiz uma proporção de 14g de café para 200g água”, explica ela.

Nas duas receitas, a barista usou o kalita wave, um método de extração inventado no Japão. “Ele é um pouco diferente do tradicional e consegue dar mais equilíbrio e consistência à bebida final”, completa. Segundo ela, esse método e muitos outros podem ser encontrados na Como em Casa, com cafés de várias origens.

ESPECIALIZAÇÃO

O barista é o profissional especializado em cafés de alta qualidade, também conhecidos como especiais, e trabalha extraindo o melhor do grão e criando novas bebidas utilizando-se de licores, cremes, bebidas alcoólicas, leite, entre outros ingredientes.

No caso de Analice Carvalho, ela também é a única instrutora autorizada da Associação Americana de Cafés Especiais (SCA) na região Norte e está habilitada a ministrar cursos e aplicar provas da SCA nas modalidades Barista e Brewers (preparo de cafés). Para ela, o café perfeito não tem amargor, mas doçura, acidez e corpo balanceados. “Isso tudo vindo do próprio grão de café”, comenta.

Na visão da barista amazonense, a disseminação dos cafés especiais em Manaus ainda é recente, mas reflete uma mudança de postura do próprio consumidor brasileiro. “Durante muito tempo, o Brasil, como o maior produtor de café do mundo, exportava a sua produção de melhor qualidade. Mas essa história começou a mudar há uns 15 anos. O que tem acontecido é que os consumidores começaram a buscar cafés de melhor qualidade, a reivindicar aquilo que não costumava ficar no País”, afirma.

“Não estamos falando da introdução de um novo hábito, até porque o café já está no dia a dia do brasileiro, mas do crescimento de uma consciência de que o café é muito mais que o super torrado e moído que encontramos na maioria dos supermercados”.

Por Rosiel Mendonça

Fonte: A Crítica 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *