Alcides Carvalho, maior pesquisador de café do mundo, completaria 100 anos hoje

Imprimir

Reconhecido como o maior geneticista de café do mundo, o brasileiro Alcides Carvalho completaria hoje (20/09) cem anos se estivesse vivo. Com rigor científico e sensibilidade, conseguia diferenciar as espécies de café pelo aroma das floradas. Em seu trabalho como pesquisador, participou da formação de muitos cientistas e dedicou a vida à cafeicultura.

Carvalho foi responsável pelas 65 cultivares de café desenvolvidas no Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo, onde trabalhou por 58 anos. Esses grãos ocupam atualmente cerca de 90% dos cafeeiros do tipo arábica do Brasil.

Cientista
O geneticista assinava a revista Science, uma prestigiada publicação científica e, graças à continuidade de seus trabalhos, a Seção de Genética do Instituto Agronômico se transformou no mais importante centro de genética e melhoramento do cafeeiro do mundo.

Em 1950, bastante antecipado, ele iniciou os estudos sobre a ferrugem – duas décadas antes de a doença chegar ao Brasil. Os trabalhos envolviam parceria com o Centro de Investigação das Ferrugens do Cafeeiro, de Portugal.

Entre tantos reconhecimentos que teve ao longo da carreira, destacam-se o título de Doutor “Honoris Causa”, da Escola Superior de Agricultura “Luis de Queiroz”/USP, concedido em 1976; o Prêmio Nacional de Ciências e Tecnologia, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), em 1982; o título de Agrônomo do Centenário do Instituto Agronômico, em 1987; o Grau Comendador conferido pela Presidência da República, em 1987; o Fellow, pela American Association for the Advancement of Science, em 1991; e o reconhecimento e homenagem do Governo da Costa Rica e dos cafeicultores brasileiros, em 1993. Carvalho nasceu em 1913 e faleceu aos 79 anos, em 1993.

Fonte: Globo Rural Online

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *