Agricultura de SP fará treinamento em sanidade do café para produtores de Franca (SP)

Imprimir
Produtores rurais da região de Franca (SP), receberão treinamento da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo em manejo fitossanitário do café, em 7 de agosto de 2019, a partir das 9h. A ação ocorrerá por meio do Programa de Sanidade em Agricultura Familiar (Prosaf), da Secretaria de Agricultura, que será realizada com o objetivo de transferir conhecimento em pragas, doenças e nematoides, que atacam a cultura do café.

O Prosaf atua a partir da demanda dos produtores rurais, associações e cooperativas para ajudar a melhorar questões sanitárias relacionadas à produção agropecuária. Em dez anos de atividade, mais de quatro mil pequenos e médios produtores receberam orientação pelo programa. Só em 2018, os treinamentos do programa receberam público de 400 pessoas.O Prosaf é coordenado pelo Instituto Biológico (IB-APTA) e conta com apoio da Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável (CDRS).

Durante o treinamento, os produtores receberão informações sobre os nematoides que atacam a produção cafeeira. Os nematoides são parasitas que vivem, principalmente, no solo e atacam o sistema radicular de plantas de diversas culturas, inclusive o café. Segundo a Sociedade Brasileira de Nematologia (SBN), os nematoides podem causar prejuízo de R$ 35 bilhões ao ano ao agronegócio brasileiro. Estima-se que eles causem redução de 20% da produção cafeeira do País.

De acordo com Claudio Marcelo Gonçalves de Oliveira, pesquisador do Instituto Biológico (IB-APTA), São Paulo tem legislação referência para evitar a produção de mudas contaminadas por nematoides. Os esforços paulistas na área foram reconhecidos como exemplo pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

“Os nematoides fitoparasitos são limitantes ao cultivo do cafeeiro, principalmente em solos arenosos, com baixa fertilidade e deficiência hídrica. Diversas espécies estão associadas à cultura, mas as pertencentes aos gêneros Meloidogyne e Pratylenchus são comprovadamente nocivas”, afirma. Esses dois gêneros destroem severamente o sistema radicular do cafeeiro, limitando a manutenção das áreas infestadas e a implantação de novos cultivos.

O controle mais eficiente e econômico, segundo o pesquisador do IB, é a prevenção. Para isso, o produtor precisa evitar o ‘plantio de nematoides’, ou seja, não utilizar mudas contaminadas em sua propriedade. “É necessário que o produtor adquira mudas certificadas, comprovadamente isentas de nematoides. Ele precisa entender que não é gasto extra adquirir mudas certificadas, mas sim, a garantia de sucesso da sua produção”, explica.

A identificação dos nematoides no campo nem sempre é possível apenas com a observação dos sintomas, que consistem em galhas radiculares, redução de radicelas e lesões nas raízes. “Por isso, é importante que o agricultor envie amostras para serem analisadas em laboratórios. O IB mantém em Campinas (SP), o Laboratório de Nematologia, em que são realizadas, aproximadamente, 600 diagnósticos por ano e é referência brasileira em estudos e prestação de serviços na área”, afirma.

Mario-Eidi-Sato-IB Mario Eidi Sato, pesquisador do IB – Instituto Biológico.

Pragas

Pesquisadores do IB também farão palestras aos produtores em pragas do cafeeiro. Os estudos do Instituto na área envolvem o controle biológico de ácaros, avaliação de cultivares e clones de café quanto à suscetibilidade aos principais ácaros-pragas, incluindo clones com resistência ao bicho-mineiro e a nematoides. Além disso, os trabalhos buscam identificar a diversidade dos ácaros nas diversas regiões produtoras de café, avaliar os inimigos naturais com potencial para controle biológico e analisar o efeito de defensivos químicos e agentes de controle biológico sobre os diferentes ácaros presentes nos cafeeiros.

Doenças

Serão abordadas as principais doenças que afetam a cultura do cafeeiro e os desafios impostos por elas nos cenários de distúrbios climáticos e na cafeicultura de alta produtividade, característica da Alta Mogiana.

“As crescentes produtividades obtidas pelos produtores de café, bem como distúrbios climáticos, como geadas, chuvas de pedra, chuvas torrenciais e veranicos, tornam as doenças ainda mais limitantes e com necessidade de mais atenção”, afirma Flávia Rodrigues Alves Patrício, pesquisadora do IB.

Na palestra serão abordados aspectos relevantes das epidemias de cada doença e os tratamentos fitossanitários estudados pelo Instituto Biológico e seus parceiros.

SERVIÇO
Prosaf – Manejo Fitossanitário do Café
Data: 07 de agosto de 2019
Horário: 9h
Local: Rua Capitão Zeca de Paula, 883, Jardim Consolação – Franca (SP)

PALESTRAS
“Pragas do Café” – Mário Eidi Sato
“Nematoide do Café” – Claudio Marcelo de Oliveira
“Doenças do Café” – Flávia Patrício

Fonte: Revista Attalea Agronegócios

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *