Administração

Quando o assunto é café, inúmeros fóruns de discussões se abrem em torno do ouro verde, buscando as melhores alternativas para fortalecer toda cadeia produtiva, permitindo o atendimento das crescentes demandas consumidoras. Buscar sempre as melhores decisões para quem produz, comercializa e exporta café é uma das preocupações do CCCMG, que vem tomando diversas ações altamente positivas para o setor.

Através de uma gestão participativa e democrática entre os membros de sua diretoria executiva, do conselho administrativo e da diretoria de apoio, bem como externamente junto aos parceiros e outras entidades, o Centro do Comércio de Café do Estado de Minas Gerais está exercendo plena e profícua suas funções para o biênio 2009/2011, já revelando alguns avanços bastantes significativos como: o aumento do número de seus associados, que hoje é o dobro, e investimento na imagem institucional como forma de consolidar a entidade classista.

Desta forma, uma completa revisão de atribuições foi feita, além de reformulação profunda para consolidar seus objetivos. O Centro do Comércio de Café do Estado de Minas Gerais está localizado em Varginha, no sul de Minas, em local redimensionado para acomodar o grande fluxo de trabalho. Além de acomodações confortáveis, permite que seus associados desfrutem de sua ótima estrutura.

administracao-cccmg
Da direita para esquerda estão o presidente Archimedes Coli Neto, o vice-presidente Carlos Paulino da Costa e o diretor financeiro João Aparecido da Silva

O presidente do CCCMG, Archimedes Coli Neto, que empunha a bandeira do café há mais de uma década, enfatiza que sua gestão é amplamente democrática à frente da Entidade, que busca e trabalha para o constante fortalecimento do agronegócio de café, sempre preocupado em evidenciar o potencial produtivo inesgotável do Estado de Minas Gerais, reconhecendo a pujança de seus produtores, responsáveis pela metade do café produzido no Brasil. Ousadia, mas com os pés no chão: esta tem sido a receita que já está dando certo.

O CCCMG, como órgão classista que congrega produtores, corretores, exportadores e armazenadores, além de outros profissionais da área, está buscando o fortalecimento de toda a cadeia do café, o que permitirá a adesão de novos associados, a celebração de inúmeras parcerias até com instituições de ensino renomadas, empresas certificadoras e de consultoria.