Abertas as inscrições para o curso técnico em Agronegócio do Senar

Imprimir

Estão abertas as inscrições para o processo seletivo do Curso Técnico em Agronegócio, oferecido pelo Senar através da Rede e-Tec Brasil, do governo federal. Com 1.230 horas/aula, o curso terá duração de dois anos e, embora seja predominantemente a distância, inclui uma parte presencial, que deverá ser cumprida em polos de apoio, montados em diversas regiões do país. O início das aulas está previsto para fevereiro de 2015 e as inscrições devem ser feitas até 10 de dezembro.

Em Minas Gerais, os polos presenciais serão instalados no Centro Uniceasa, em Contagem; no Centro Educacional de Manhuaçu; no Centro Universitário de Sete Lagoas. No estado, estão disponíveis 140 vagas. O aluno pode fazer o curso em qualquer município; as aulas presenciais serão agendadas e perfazem 20% da carga horária. O local das aulas presenciais será escolhido pelo aluno no momento da inscrição.

A meta do Senar, em um futuro próximo, é formar uma rede de cobertura nacional com mais de 100 polos de apoio presencial e garantir 20 mil vagas somente no curso Técnico em Agronegócio. Inicialmente, 20 unidades foram estruturadas em nove estados: Amazonas, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Rio de Janeiro, Santa Catarina e Sergipe. Todas com infraestrutura física, tecnológica e professores, prontas para o início das atividades e contando com salas de aula e videoconferência, laboratórios de informática, bibliotecas e todos os requisitos de acessibilidade para portadores de necessidades especiais.

Marina Vianna, assessora técnica do Departamento de Inovação e Conhecimento do Senar, explica que mesmo vivendo em locais remotos, qualquer pessoa poderá ter acesso ao curso técnico a distância. Ela informa que a estratégia didática lança mão de diferentes mídias e, por isso, o aluno pode estudar em casa, mesmo que não tenha ali um computador conectado a internet. Cada um receberá um kit com material impresso e videoaulas em DVD e, nos polos de apoio presencial, terá acesso a todos os recursos virtuais para as atividades necessárias.

Acesso
Ao facilitar o acesso ao ensino técnico, o Senar espera melhorar a qualidade de vida do Brasil rural e contribuir para evitar o êxodo para os grandes centros. O último censo demográfico do IBGE, em 2010, mostrou que, embora em ritmo menos acelerado, a população rural brasileira segue minguando. Para se ter ideia, de 1996 a 2006, 3 milhões de jovens, com idade entre 15 e 29 anos, trocaram o campo pelas cidades, entre outras coisas, para estudar. Ainda assim, segundo levantamento da Secretaria Nacional de Juventude, mais de 8 milhões de jovens brasileiros vivem no campo.

“Desses jovens depende a capacidade produtiva e a soberania alimentar do Brasil – salienta o secretário executivo do Senar, Daniel Carrara. Por isso estamos dando uma grande guinada em nossa estrutura educacional, abrindo novas portas de acesso ao ensino técnico e tecnológico para homens e mulheres do meio rural. A educação de qualidade é, sem dúvida, a melhor forma de inclusão social e melhoria da qualidade de vida no campo.”

Daniel Carrara explica que a Rede e-Tec Brasil SENAR vai assegurar um ensino diferenciado, com os conteúdos didáticos direcionados à realidade do campo. “O jovem com formação adequada pode encontrar excelentes oportunidades de trabalho no meio rural e com a educação a distância vamos atender aqueles brasileiros que não podem deixar as atividades do dia a dia para frequentar um curso presencial, e nem se deslocar para aprender. A possibilidade de aprender, de graça, no horário e local que o próprio aluno escolhe é uma verdadeira democratização do conhecimento, que não pode ficar guardado” afirma.

Daniel Carrara explica que a Rede e-Tec Brasil SENAR vai assegurar um ensino diferenciado, com os conteúdos didáticos direcionados à realidade do campo. “O jovem com formação adequada pode encontrar excelentes oportunidades de trabalho no meio rural e com a educação a distância vamos atender aqueles brasileiros que não podem deixar as atividades do dia a dia para frequentar um curso presencial, e nem se deslocar para aprender. A possibilidade de aprender, de graça, no horário e local que o próprio aluno escolhe é uma verdadeira democratização do conhecimento, que não pode ficar guardado” afirma.

Fonte: SENAR

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *