Abandono de técnicas tradicionais causa perdas na colheita de café

Imprimir

Um trabalhador planta café em Tegucigalpa, Honduras, América Central, em 17 de janeiro de 2013 (Orlando Sierra/AFP/Getty Images) 

O abandono das técnicas tradicionais do cultivo do café e o uso indiscriminado de pesticidas e fungicidas está aumentando de forma drástica a proliferação do fungo da ferrugem, que está afetando plantações e colheita de café na América Central e México, informou o ecologista John Vandermeer da Universidade de Michigan.

O ecologista fez estudos científicos numa plantação de café orgânico no sul de Chiapas, México, durante 15 anos.

“Nos últimos 20 a 25 anos, muitos produtores de café da América Latina abandonaram as técnicas tradicionais de cultivo, que era feita sob a sombra projetada por diversas espécies de árvores.”

No afã de aumentar a produção, grande parte da plantação se converteu no chamado “café de sol”, em que não há mais cobertura que proteja o café dos fungos, criando maior dependência de pesticidas e fungicidas para manter as pragas sob controle.

Vandermeer disse que mais de 60% das árvores que foram estudadas possuem agora 80% de queda das folhas devido ao fungo da ferrugem.

O fungo da ferrugem ataca as folhas da planta e interfere na capacidade da mesma de realizar a fotossíntese. 30% das plantas não possuem mais qualquer folha e cerca de 10% já morreram.

Segundo Vandermeer, o cultivo na sombra possui um panorama muito diferente, pois ativa um fungo de halo branco que ajuda a conter a proliferação do fundo da ferrugem, bem como o ataque de certos insetos prejudiciais.

Para o ecologista, o resultado das perdas na colheita se dá pelo uso indiscriminado de pesticidas e fungicidas e pelo baixo nível de biodiversidade encontrado nas plantações de café ao sol.

“Sem o fungo de halo branco para frear a proliferação do fungo da ferrugem, este tem sido capaz de dizimar as plantações de café da Colômbia e México”, diz Vandermeer.

A situação atual é a pior vista na América Central desde que a praga chegou à região há mais de 40 anos; recentemente, a Guatemala se uniu a Honduras e a Costa Rica declarando “emergência nacional” devido à praga.

“O presidente guatemalteco disse que, devido à praga, a produção de café poderia ter uma perda de 40% no país durante a safra de 2013-2014”, disse o ecologista.

“Tenho informações pessoais de amigos que trabalham com café na Colômbia, Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Nicarágua e México. Todos dizem que esta é a maior perda que já tiveram”, disse Vandermeer.

O que ainda não se sabe, é se esta infestação diminuirá com o decorrer deste ano e se voltará aos níveis anteriores.

“Talvez isto se converta em algo relativamente permanente e fixo na região”, disse Vandermeer, advertindo sobre as pesadas consequências para os produtores de café.

O fungo da ferrugem foi descoberto nas proximidades do Lago Victoria na África Oriental em 1861 e mais tarde foi identificado e estudado no Sri Lanka em 1867, segundo dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, citados pela Universidade de Michigan.

A praga se espalhou por grande parte do sudeste da Ásia e África. O fungo da ferrugem ficou conhecido no hemisfério ocidental em 1970, quando foi encontrado na Bahia, Brasil. Desde então, começou a se espalhar para todos os cafezais da América.

O mofo infecta principalmente as folhas de café, mas também afeta frutos, brotos e outras culturas diversas. Os esporos do fungo se propagam pelo vento e pela chuva.

Fonte: Epoch Times

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *