A estratégia da Coca-Cola para a Matte Leão

Imprimir
Como parte de um esforço para expandir seu portfólio, a Coca-Cola Brasil lançou o Café Leão. Algumas marcas da companhia já vendem bebidas à base de café, mas essa é a primeira vez que ela oferece pacotes de grãos ou pó.

O produto será vendido inicialmente em São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba. Em setembro poderá ser encontrado no e-commerce e a partir de janeiro de 2017 em outras cidades do país.

O lançamento do Café Leão está marcado para o início das Olimpíadas. Como a Coca-Cola é patrocinadora dos jogos, ela tem o direito de vender bebidas prontas para beber dentro do parque olímpico.

Cerca de 20 máquinas estarão espalhadas pelo local, para moer e servir a bebida aos visitantes.

A ideia de entrar no mundo dos cafés já vem de 2014, quando a empresa de bebidas fez pesquisas internas para direcionar sua expansão.

Depois de conversar com baristas, exportadores e produtores, a Coca-Cola decidiu comercializar grãos selecionados de café arábica, que normalmente são destinados à exportação.

A marca Matte Leão foi a escolhida para o lançamento desse produto, já que a empresa percebeu que ela tinha uma conexão grande com o mundo das infusões.

”Além disso, é uma marca forte, com tem uma história de mais de 115 anos no Brasil”, afirmou Sandor Hagen, vice-presidente de novos negócios da Coca-Cola Brasil.

Segundo Renato Fukuhara, diretor de marketing de novas categorias, o chá mate e o café são bebidas muito parecidas. “Leva tempo para preparar, tem um ritual de passo a passo envolvido no consumo dessas infusões”, disse.

Mais do que só refrigerantes

O lançamento do Café Leão faz parte de uma ampla estratégia da Coca-Cola de diversificar a sua atuação no mercado de bebidas.

Em 2006, a empresa no Brasil praticamente só vendia refrigerantes. Nesses dez anos, ela lançou as marcas Crystal, de água, e Powerade, de isotônicos.

Além disso, comprou a Matte Leão e a Del Valle e, mais recentemente, a Ades e a Verde Campo, empresa brasileira de lácteos, como queijos, iogurte e derivados de leite.

Lançou novos produtos para cada uma dessas marcas, que atingiram um alcance muito maior por causa da logística e distribuição da Coca-Cola.

Mas isso não era o suficiente para a gigante de bebidas. Há dois anos, a companhia fez uma pesquisa interna e descobriu que havia espaço nos mercados de leites e de café.

No mercado de leites, a companhia escolheu por adquirir uma empresa que já tivesse experiência. O segmento é mais complexo, já que o produto tem uma vida útil mais baixa e precisa ser transportado em caminhões refrigerados.

Já no mercado de cafés, os grãos vêm de pequenos agricultores de Minas Gerais e do Espírito Santo e selecionados e torrados pela Real Café, do grupo capixaba Tristão.

“A gente tinha necessidade de velocidade nesse lançamento, por isso escolhemos trabalhar com um parceiro nesse momento”, disse Fukuhara.

Fonte: EXAME.com (Por Karin Salomão)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *