18º Encafé analisará o novo Regulamento Técnico do Café

Imprimir

O principal tema do evento é a Instrução Normativa Nº 16, assinada em 24 de maio passado pelo ministro Wagner Rossi, da Agricultura, que instituiu o inédito Regulamento Técnico do Café Torrado em Grão e Café Torrado e Moído. Esta nova norma entrará em vigor em fevereiro de 2011, o que exige rápida adaptação do mercado.

“O Encafé será a oportunidade para se analisar e esclarecer dúvidas sobre a IN 16 com especialistas e representantes do Dipov – Departamento de Inspeção de Produtos Vegetais, do Mapa”, diz Almir José da Silva Filho, presidente da ABIC – Associação Brasileira da Indústria de Café, entidade promotora do evento. O novo Regulamento Técnico passa a definir o padrão oficial de classificação do produto e determina que os cafés oferecidos aos consumidores tenham Qualidade Global Mínima igual ou superior a 4 pontos, em uma escala sensorial que vai até 10, além de impureza máxima de 1% e nível de umidade de até 5%. Os cafés em grão torrado ou torrado e moído que não se enquadrem nessas exigências, serão considerados ‘Fora de Tipo’ e proibidos de serem comercializados.

O Brasil é o primeiro país a adotar, em norma oficial, as modernas técnicas de avaliação sensorial do produto final para definir as características da qualidade recomendável, aquelas que tornam a bebida apreciada e que impulsionam o consumo. Até hoje, em todo o mundo, a qualidade do café sempre tomou por base a avaliação, classificação e degustação do grão cru. “Entretanto, como o processo de industrialização, a torração, a moagem e a embalagem influem decisivamente nas características da bebida degustada pelos consumidores, tornou-se necessário utilizar também as metodologias de avaliação sensorial para qualificar a bebida conforme seu consumo”, explica Almir Filho.

A regulamentação exigirá a adequação de todo o mercado, já que a partir de fevereiro de 2011 o Mapa dará início à fiscalização, coletando amostras (embalagens fechadas) no comércio varejista, supermercados, padarias, cestas básicas, restaurantes ou na indústria. Estas amostras serão encaminhadas aos laboratórios oficiais para análise de microscopia e para a prova de xícara, que consiste na avaliação, por classificadores credenciados pelo Ministério, de diversos atributos do café, como corpo, aroma, doçura, acidez e finalização. A pontuação dada a cada atributo é que define as características da qualidade recomendável do café.

As palestras, workshops técnicos e discussões em grupo serão realizados no Centro de Convenções de Natal, onde também será montada a Exposição de Máquinas, Produtos e Serviços, mostra sempre aguardada pelos industriais e que este ano apresentará soluções para o atendimento das exigências da IN 16. Já o hotel sede é o Serhs Natal, distante apenas 500 metros, e onde serão promovidas as atividades sociais. O encontro deverá reunir cerca de 700 participantes.

Fonte: Tempo de Comunicação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *